A Hellinger Sciencia - Introdução e Visão Geral (Bert Hellinger)

12. 05. 29
Acessos: 2417

( Trecho retirado do livro Hellinger Sciencia – O amor do espírito - ed Atman. )

A Hellinger Sciencia, aqui propositalmente escrito dessa maneira, é uma ciência do amor do espírito. É uma scientia universalis - a ciência universal das ordens da convivência humana, começando pelas relações nas famílias, ou seja, pelo relacionamento entre homem e mulher e entre pais e filhos, incluindo sua educação, passando pelas ordens no âmbito do trabalho, na profissão e nas organizações, chegando até as ordens entre grupos extensos como, por exemplo, povos e culturas.

Ao mesmo tempo é a scientia universalis das desordens que levam a conflitos no âmbito da convivência humana, que separam as pessoas ao invés de uni-las.

Estas ordens e desordens também são transferidas para o corpo. Têm um papel importante em relação às doenças e à saúde física, anímica e espiritual.

Por que esta ciência denomina-se Hellinger Sciencia? Eu obtive e descrevi essas compreensões. Examinei-as publicamente através de ações práticas. Assim sendo, muitos puderam verificar os efeitos dessas compreensões em si mesmo tanto em seus relacionamentos quanto nas suas ações. Nisso se mostra que se trata de uma verdadeira ciência.

Enquanto ciência, a Hellinger Sciencia está em movimento. Isso significa que se encontra em constante desenvolvimento, também através das compreensões e experiências de muitos outros que se abriram para ela – e também para as suas conseqüências. Enquanto ciência viva, a Hellinger Sciencia não é uma "escola" como se já estivesse sido concluída e pudesse ser transmitida e ensinada como algo definitivo. Assim sendo, também não existe um controle do seu sucesso, de maneira que pudesse ser avaliada através de parâmetros externos e como se tivesse que se justificar de acordo com estes parâmetros. Justifica-se através de seus efeitos e do seu sucesso. Trata-se de uma ciência aberta em todos os sentidos.

A dimensão espiritual

Além das compreensões imediatas sobre as ordens e desordens nas nossas relações a Hellinger Sciencia atingiu ainda uma outra dimensão – uma dimensão espiritual. Somente a partir dela obtém-se consciência da extensão dessas compreensões. Somente a partir dela seu significado universal e as suas conseqüências tornam-se perceptíveis em todas as áreas.

O que é esta compreensão espiritual e quais as suas dimensões? Esta compreensão parte de uma observação e suas conseqüências: tudo que existe não se movimenta por si mesmo, mas é movimentado por algo externo. Tudo que vive, mesmo quando se movimenta como se estivesse se movimentando por conta própria, tem um movimento que não pode partir dele mesmo. Portanto, todo movimento, incluindo o movimento de tudo que vive resulta de um movimento que vem de fora. E isto não se aplica apenas ao início do movimento, mas, continuamente, por todo o tempo que esta vida dura.

Algo mais deve ser considerado aqui. Todo movimento, principalmente todo movimento de algo vivo, é um movimento consciente, com propósito. Este conceito pressupõe uma consciência naquela força que tudo movimenta. Em outras palavras: todo movimento é um movimento pensado. O movimento começa porque é pensado por esta força e entra em movimento da maneira como é pensado.

O que, então, encontra-se no início de cada movimento? Um pensar que pensa tudo da maneira como é.

O que resulta disso? Para este pensar não existe nada que ele não queira da maneira como é e exatamente da maneira como se movimenta. No final todo movimento é um movimento do espírito. E assim sendo, nada termina para este espírito. Tudo que foi é: ele ainda pensa da mesma maneira como nos pensa no passado, no presente e como pensa, ao mesmo tempo, em tudo que ainda esta por vir.

Porque pensa naquilo que está por vir, ao mesmo tempo, em que pensa no passado, o passado se refere àquilo que ainda esta por vir em tudo. Aquilo que já passou, movimenta-se em direção daquilo que esta por vir e lá é concluído.

Porém, também aquilo que ainda está por vir se tornará passado e como algo passado se movimentará em direção a algo que está por vir. Não podemos imaginar que este pensar que tudo movimenta termine. Assim como não pode existir nada que não seja pensado por ele, não pode existir nada após ele. Pois, quem ou o quê poderia pensar depois dele?

Diante desse pensamento muitas suposições e imaginações, até então importantes para nós, deixam de existir. Por exemplo, a pressuposição da existência de um livre arbítrio, a idéia da responsabilidade pessoal. E deixam de existir muitos julgamentos de valor e diferenciações que sustentam a nossa cultura.

Aqui me refiro, em primeiro lugar, à diferenciação entre o bem e o mal, certo e errado, escolhido e rejeitado, entre em cima e embaixo, alto e baixo, melhor e pior e finalmente entre vida e morte.

No entanto, nós continuamos a fazer essas distinções e também as vivenciamos como reais. Mas, elas não são igualmente pensadas e desejadas por esse espírito, assim como são?

Aqui temos que considerar que o passado e o que ainda está por vir não são a mesma coisa. O passado está a caminho daquilo que está por vir. Conseqüentemente, nós experimentamos um antes e um depois, um mais e um menos.

O que é este menos? O que é este mais? Trata-se de menos consciência e mais consciência. Encontramo-nos num movimento de menos consciente em direção a mais consciente. Encontramo-nos num movimento de menos consciente em sintonia com este espírito e o seu movimento abrangente, em direção a mais consciente em sintonia com o seu movimento. Portanto, para nós, existe um movimento de mais ou menos, que não é pensado por este espírito. Porque para ele não existe um mais ou um menos. Mesmo assim, este movimento de mais e menos é pensado por este espírito neste movimento, em tudo que ele nos traz. É pensado por ele para nós, dessa maneira, independente da experiência que nos impõe num caminho em direção a uma consciência maior.

Quem consegue adquirir esta consciência maior? Quem consegue obter essa sintonia maior com a consciência desse espírito? Podemos ser nós mesmos, pessoalmente? Podemos ser nós, unicamente nesta vida? Ou será que todas as pessoas, do passado, do presente e do futuro estão juntas neste caminho e atingirão essa consciência juntamente com todos os outros? Atingirão essa consciência juntamente com todas as experiências alguma vez feitas e com aquelas que ainda devem ser feitas por nós e por muitos outros, tanto nesta vida como em várias outras? Aqui, também, somente em conjunto?

A liberdade

Evidentemente nos sentimos livres em vários sentidos. Evidentemente nos sentimos responsáveis por nossos atos e suas conseqüências. Ao mesmo tempo, porém, sabemos que uma outra força, um poder espiritual que tudo movimenta, pensou, movimentou e quis a nossa liberdade e a nossa responsabilidade assim como a nossa culpa com todas as suas conseqüências, de tal forma que as vivenciamos como se fossem nossas.

Agimos, então, de forma diferente? Podemos agir de forma diferente? De onde devemos tirar a força para nos movimentarmos e agirmos de maneira distinta?

O que, então, nos resta fazer? Agir exatamente da mesma maneira como até agora e concordar com a nossa liberdade, a nossa responsabilidade, o nosso passado e a nossa culpa com todas as suas conseqüências como são e como as experimentamos.

Ao mesmo tempo, no entanto, nós as experimentamos como um mais em termos de sintonia consciente com este espírito que tudo movimenta. Nós as experimentamos também como uma consciência maior tanto para nós, como para todos os outros que carregam juntamente conosco as conseqüências da nossa liberdade e da nossa responsabilidade e que foram envolvidas nas conseqüências dos nossos atos e da nossa culpa.

Todas estas pessoas, portanto, experimentam o mesmo processo de maneira diversa. Fazem uma experiência diferente através do mesmo processo. Se perceberem ambos ao mesmo tempo – o fato de estarem livres e o fato de estarem presos – atingem um mais em consciência. Talvez também um mais em sintonia com esse espírito que tudo movimenta. Atingem um mais em consciência que os leva – assim como vários outros – um passo adiante em seu caminho em direção a consciência ampla.

A preocupação

Nesta dimensão espiritual a preocupação termina. Também a preocupação sobre o futuro da Hellinger Sciencia. Ela vem de um movimento do espírito, da forma como é pensada por esse espírito e permanece em movimento da maneira como esse espírito a pensa, independente do fato de alguém concordar com ela ou rejeitá-la. Enquanto ciência universal comprova sua verdade em ambos os casos, simplesmente através do seu efeito.

O que acontece, então com as preocupações que temos em relação ao futuro: em relação ao nosso futuro, em relação ao futuro de outras pessoas e em relação ao futuro do mundo? Essas preocupações não se revelam como tolas em todos os casos? Como se pudéssemos mudar ou impedir algo através delas? Seriam preocupações contra o movimento do espírito, como se estivessem independentes dele.

É diferente com as preocupações que temos em sintonia com o movimento desse espírito. Estas são preocupações provenientes de um cuidado que está a serviço do mundo, da maneira como o espírito as movimenta. Estas preocupações estão em sintonia com a preocupação e o cuidado do espírito. Estas preocupações estão em sintonia com as ordens da vida, também com seu inicio e seu fim.

O futuro

Em sintonia com o pensar desse espírito, para nós, qualquer futuro é agora. Este espírito pensa tudo agora. A preocupação por aquilo que vem a seguir termina na dimensão espiritual. Em sintonia com este movimento, tudo que vem a seguir se mostra para nós agora. Como existe algo que segue, existe para nós um futuro – um futuro, porém que acontece agora.

A Hellinger sciencia é uma ciência para o agora. Todas as suas compreensões atuam agora e atuam imediatamente. Qualquer resistência contra estas compreensões também atua agora e imediatamente. Nisso se mostra que a Hellinger Sciencia é uma ciência verdadeira. Uma ciência das nossas relações – agora.

O amor

No final a Hellinger Sciencia é uma ciência do amor, é uma ciência universal do amor. É a ciência do amor que inclui tudo da mesma maneira.

Como esse amor pode dar certo? Pode dar certo em sintonia com o pensar do espírito, que movimenta tudo da maneira como pensa. É um amor que se encontra em sintonia com o pensar do espírito, consciente do movimento desse espírito. Sabe como ama e como pode amar, pois em forma de compreensão adquire consciência sobre este amor em sintonia com a consciência de espírito. Assim sendo esse amor e essa consciência são puros. São puros por serem movidos por um outro pensar. Trata-se de um amor que conhece, de um amor puro e conhecedor.

Portanto é também um amor criativo – criativo, porém, em sintonia com o pensar desse espírito. Assim sendo esse amor se torna uma ciência, uma ciência universal. Enquanto ciência universal atua de maneira universal. Atua por ser verdadeira.

As diferentes consciências e as Constelações Familiares

Há três diferentes consciências, cada qual constitue um campo espiritual.

A primeira delas, a consciência pessoal, é estreita e tem o seu alcance limitado. Porque faz distinções entre o bom e o mau reconhece o direito de alguns pertencerem e nega o de outros.

A segunda, a consciência coletiva, é mais ampla,representando também os interesses daqueles que foram excluídos pela consciência pessoal. Por isso, está freqüentemente em conflito com a consciência pessoal. Contudo, a consciência coletiva também tem um limite porque abrange somente os membros dos grupos que são governados por ela .

A terceira, a consciência espiritual, supera as limitações das outras duas consciências. Limitações estas que surgem através da diferenciação entre bom e mau e da consideração de alguns como tendo o direito de pertencer e outros não.

Quando alguém quer entender e solucionar um problema pessoal com a ajuda das constelações familiares, ou um problema de relacionamento com um parceiro ou na família ou com uma criança, vemos imediatamente, qual é a consciência que está mais envolvida criando e mantendo o problema. E daí, percebemos o que esse problema exige do indivíduo e de sua família para que haja uma solução. Desta maneira, precisamos ver as diferentes consciências unidas umas às outras, porque todas estão a serviço de nossos relacionamentos. Elas trabalham juntas, uma após a outra, e se complementam, de forma que precisamos ver que um problema e a suas soluções estão relacionadas a mais de uma consciência e, no final, a todas elas.

Por exemplo, se alguém pede a nossa ajuda, podemos reconhecer, imediatamente, quais consciências estão envolvidas no seu problema e de que forma, e quais soluções estão disponíveis.

Inversamente, se um ajudante tem um problema com um cliente, ele pode se perguntar, quais as consciências relativas a ele que estão envolvidas nesse problema e o que elas também lhe oferecem como solução.

A consciência espiritual

Em primeiro lugar, observo aqui as Constelações Familiares partindo do fim do caminho percorrido por elas, portanto, do ponto de vista da consciência espiritual. Em retrospectiva ao caminho percorrido até agora, reconhecemos de forma mais clara o significado das outras duas consciências. Reconhecemos também onde é que chegam aos seus limites. A consciência espiritual nos conduz para além desses limites.

Artigos Relacionados:

Quem é Bert Hellinger - (Vera Bassoi)

Quando as Histórias Curam - (Bert Hellinger)

Bert Hellinger fala sobre a "Não-Ação" do terapeuta - (Bert Hellinger)

Como Ajudar Crianças Difíceis - (Bert Hellinger)

Constelação Familiar – Visão Sistêmica que traz solução (Ana Claudia Rabelo)

Última atualização ( Sáb, 10 de Setembro de 2011 21:55 )