As Diversas Consciências (Cida Medeiros)

12. 05. 29
Acessos: 1820
Bert Hellinger foi indicado, entre diversas personalidades, para o Nobel da Paz.
 
Devemos considerar, com carinho, as reflexões e leituras que Bert nos tem oferecido como um caminho de compreensão e de entendimento para soluções que trazem a paz.
 
A paz no individuo, a paz na familia e a paz nas nações.
 
Acho fundamental que possamos entender o que Bert diz sobre as diversas consciências.
 
Ele vai fundo na raiz da compreensão e do entendimento de questões existenciais profundas, as quais  podem conduzir à uma verdadeira cultura de Paz. Ou, ao menos, conduzir à um diálogo de entendimento, e contribuir com essa questão.
 
Efetivamente temos uma ferramenta terapêutica baseada nesses princípios que ajuda muito a fazer parte dessa tarefa. É impossível deixar de reconhecer a grandeza desse método...
 
Bert diz que as diferentes consciências são Campos Espirituais.
 
A primeira consciência ele chama de "pessoal".
 
Vou fazer um breve resumo  mas, para aprofundar esse tema, eu sugiro a leitura:
 
"O Amor do Espírito" na Hellinger Sciencia de Bert Hellinger - Ed. Atman.
 
Pois bem, a compreensão do que vem a ser essa consciência pessoal está relativamente ligada ao que Bert chama de uma boa ou uma má consciência.
 
Essa boa ou má consciência está ligada ao direito de pertencimento ao grupo que estamos.
 
Na consciência pessoal estamos nos limites de um entendimento.
 
É através do vinculo que podemos pertencer a um grupo. Se fazemos, sentimos e agimos de forma contrária ao que pensa o grupo, estamos sujeitos a essa má consciência e corremos o risco de perder o lugar.
 
Agir conforme essa Consciência assegura-nos a viver dentro de grupos, ligados a pessoas que são importantes ao nosso bem estar.
 
Quando deixamos de estar em sintonia com o que as pessoas querem, sentem, em suas exigências e  expectativas, colocamos em risco o nosso pertencimento. Portanto, muitas vezes anulamos muitas coisas em nós, a fim de pertencer, com medo de ser excluído.
 
Ai existe uma relativa compreensão sobre o todo, ou mesmo sobre a totalidade da experiência humana.
 
Ficamos à mercê do que Bert chama do Bom e do Mal. E muitas vezes pessoas defendem o bom como "bom" sem ao menos refletir mais profundamente sobre verdadeiramente o que vem a ser isso para sua experiência pessoal de crescimento.
 
Por isso, essa questão de pertencimento envolve sentimentos mais dificies e coletivos que é o medo de pertencer e de não pertencer. O que leva ao medo mais profundo que é ao do extermínio.  Isso é o direito de  viver ou de não viver.
 
Recomendo outra leitura que é "Conflito e Paz" Uma resposta -  Bert Hellinger – Ed. Cultrix.
 
Então,  para se compreender a questão da relativa e limitada ordem da consciência pessoal temos que alargar os horizontes para compreender um sentindo mais amplo de outro nível de compreensão que iremos chamar de Consciência coletiva.
 
Bert diz que,  por trás dessa consciência pessoal existe uma outra consciência atuando. Mais poderosa, cujos efeitos são muito mais fortes que a pessoal.
 
Porém é uma consciência que  permanece inconsciente em nós. Mas ela atua além de nossa compreensão, é o que ele chama de consciência que está pautada  no pertencimento do grupo e de pessoas que estamos vinculados. Ela é relativa em sua abrangência. Essa outra consciência atua em nome de uma consciência mais ampla.
 
Essa consciência mais coletiva diz que todos têm direito a pertencer a uma família. Ela é amoral. Não discrimina entre bons ou ruins, culpados ou inocentes, bom ou mal. E protege todos da mesma forma. E quando essa consciência não é respeitada, "alguém" irá representá-la numa próxima geração. Assumindo seus hábitos, costumes, trazendo à tona novamente tudo aquilo que foi rejeitado, excluído e negado . Para enfim, ter um lugar de honra e pertencimento.
 
Só o amor libera. O amor que preenche e que aceita o outro como ele é.
 
Quando esse amor alcança o outro, a consciência coletiva fica em Paz e, então, todos ficam em paz.
 
Por fim, Bert fala sobre a Consciência Espiritual, como um movimento que vem do espírito e que se move de forma criativa. Podemos estar em sintonia de maneira sábia ou podemos estar resistindo a esse movimento.
 
Quando estamos em sintonia com o movimento do espírito, tudo se acalma. Sentimos uma boa consciência espiritual e dela recebemos uma força.
 
Qual é a essência desse movimento espiritual? É a dedicação a tudo, assim como é.
 
Quando excluímos alguém de nossa dedicação e benevolência,  perdemos a sintonia com o espírito.
 
Enfim, estamos em paz quando estamos vinculados ao movimento do amor do espírito, aceitando tudo e todos como são.
 
Mesmo que esse movimento seja interrompido, a Consciência atua de modo a restabelecer esse equilíbrio.
 
 
 
Espero ter colaborado com esse entendimento das diversas consciências. Parece um pouco complexo mas, aos poucos, vamos tornando mais claro esse saber.