Coaching de Executivos (João Baptista Sundfeld)

12. 05. 29
Acessos: 2475
A palavra “coach”, em inglês, é traduzida para o português pelos substantivos:”vagão, carro de passageiros, treinador, técnico” e, como verbo, tem o significado de “ensinar, treinar e preparar’’.
 
No Brasil, o termo é utilizado no sentido de treinador e preparador, especialmente em esportes. Já para o segmento de negócios, o termo é utilizado como “coaching de executivos”, expressão que melhor traduz a função essencial de ajudar os executivos a resolverem seus problemas e auxiliá-los a converter o que aprenderam em resultados positivos para a organização em que trabalham. Assim, o coach é o profissional que colabora com outras pessoas para desenvolver suas capacitações e melhorar a execução de suas funções.
 
Não se pode confundir a função do coach com a do consultor especializado em determinadas áreas, porque este, mesmo admitindo que o executivo já deveria ter o necessário preparo técnico para exercer seu trabalho, tem que recomendar novos procedimentos para melhorar os resultados. Por exemplo, um consultor em marketing precisará sugerir modificações nos processos de atuação no mercado. Da mesma forma, um consultor na área de engenharia de processos de fabricação deve sugerir modificações na produção.
 
Outra fonte de confusão é a diferença entre a função do coach e do mentor, como explica David Clutterbuck, em Oxford Brookes, no Reino Unido. Mentor é a pessoa que serve de guia, de sábio e de experiente conselheiro. Reconhecemos que há sutis diferenças entre o consultor, o mentor e o coach, mas é fundamental que os profissionais que exercem cada uma dessas funções saibam as diferenças entre elas para que os resultados de seus trabalhos tragam resultados específicos e positivos para os clientes.
 
O coach busca respostas à pergunta: Em que você precisa e quer melhorar? A partir da resposta a esta pergunta, começa o trabalho de coaching. O coach executivo tem como principais objetivos, segundo a consultora Mary Beth O’Neil:
 
Desenvolver os relacionamentos do cliente (“coachee”) e facilitar as interações pessoa e da equipe que irão resultar em ótimo desempenho.
Informar aos principais interessados qual é a visão e objetivos da organização, e delinear as oportunidades e os desafios.
Gerar resultados a partir das iniciativas diretas da outra pessoa e não de suas próprias como coach.
Em geral, o coaching de executivos é aplicado aos líderes situados nos níveis superiores das organizações quer sejam presidentes, vice-presidentes, diretores ou gerentes executivos.
 
A atuação do coach de executivos se reveste de extrema importância porque os resultados do seu trabalho devem corresponder aos seguintes princípios:
 
Manter a orientação do trabalho voltada para o objetivo do cliente ou líder com o qual está trabalhando. O coach deve manter a sua missão de acompanhar o impulso do líder para obter resultados. Pergunta chave: “Quais são os desafios profissionais que você está enfrentando?”
Participar dos trabalhos, tornando-se companheiro da jornada do executivo para obtenção de maior competência e eficácia. Apoiado no clima de camaradagem, o coach questiona, estimula e desafia o líder a apresentar seu desempenho em seu nível ideal. Pergunta chave: “O que o impede de conseguir os resultados que deseja?
Colocar o executivo diante dos seus desafios específicos de liderança. Pergunta chave: “Qual é, então, o desafio em relação a essa situação, tendo em vista os resultados desanimadores?
Definir, quando tratar-se de resultados da equipe do executivo, as expectativas em relação à equipe para conseguir resultados.
Pergunta chave: “Quais resultados, especificamente, você espera de sua equipe?
 
As perguntas acima inseridas em negrito são perguntas poderosas para influir nas expectativas do executivo quando comparadas às suas realizações efetivas. O coaching de executivos é uma especialidade à qual nos dedicamos de longa data e tem nos dado grandes satisfações pelos magníficos resultados obtidos.
 
 
 
(*) João Baptista Sundfeld é economista, mestre em educação, coach, professor, constelador organizacional sistêmico e sócio da Sundfeld & Associados – Gestão Empresarial - www.sundfeld.com.br